Magia na leitura, 20 anos de Harry Potter

20590927_1798943310135708_1701437496_o.jpg(Foto: Caroline Lamar)

Joana Rowling, conhecida por seu pseudônimo J. K. Rowling, é uma renomada autora inglesa. Fez sucesso ao publicar em 1997, pela editora Bloomsbury, o primeiro de sete livros, Harry Potter e a Pedra Filosofal, que acabou sendo traduzido para mais de 65 idiomas.

A saga acabou se tornando um importante marco da literatura, potencializando o gênero literário infanto-juvenil, com livros de 300 a 600 páginas, mas tão bem narrados que despertaram o desejo pela leitura. Mas Rowling não parou somente na saga de Harry Potter. Ela deu vida aos livros que complementavam o mundo bruxo, como Quadribol Através dos Séculos (que explica sobre o esporte bruxo), Os contos de Beddle – o Bardo (coletânea de fabulas), e Animais Fantásticos e Onde Habitam (um diário de viagem sobre criaturas mágicas). Escreveu também livros voltados para o público adulto, romance policial, mistério, entre outros.

Harry Potter se passa no Reino Unido. Narra as aventuras de um menino órfão que, aos 11 anos, descobre a existência de um mundo mágico, onde pode-se voar em vassouras, fazer poções e aprender feitiços na escola.

No primeiro livro, o leitor se depara com um personagem que desconhece sua origem e sua cultura. Harry se vê em situações inusitadas, é maltratado pelos tios e primo. Ao descobrir que é bruxo, cai de cabeça na nova realidade. Começa a conhecer sua história a partir do momento que entra na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Além disso, o menino começa a criar laços de amizade e afeto, fazendo amigos, tendo adultos exemplares e dispostos a guiá-lo por todo o ano na escola. O jovem bruxo aprende valores como amizade, lealdade e coragem.

O bruxo é posto à prova no segundo livro da saga, quando todos ao seu redor desconfiam de sua palavra. Mesmo assim, ele continuou seu caminho, demonstrando uma enorme coragem quando ataques acometiam alunos nascidos trouxas (filhos de não mágicos). No terceiro, Harry e seus amigos estão na adolescência e sentem o fluxo de mudanças que estão por vir, não só em relação a vida pessoal de cada um, mas ao futuro deles nos próximos anos na escola. Ele enfrenta reviravoltas com relação à morte de seus pais e o possível retorno de seu inimigo, o Lorde das Trevas ou Voldemort, bruxo que assassinou os pais de Harry.

Hogwarts sedia no quarto livro um evento importante, o Torneio Tribruxo, campeonato entre as três maiores escolas de magia. Um aluno de cada escola é selecionado para representá-las em disputas que requerem alto desempenho. Algumas situações estranhas colocam Harry no campeonato, somando-se aos três representantes das escolas.  Conta com mortes e reviravoltas no decorrer da trama, além do retorno de Voldemort.

Em A Ordem da Fênix, quinto livro, o Ministro da Magia tenta esconder a real situação do mundo mágico e acaba interferindo diretamente na escola, criando um ar de dúvida sobre o retorno do vilão. A intervenção atinge diretamente os alunos, os quais criam um grupo para aprender matérias de defesa que foram sendo proibidas pelo governo. Descreve a esperança, força, determinação e lealdade de Harry e seus colegas. No sexto, Dumbledore (diretor da escola) tem a missão de passar todo o conhecimento necessário para que Harry e seus amigos possam derrotar o maior bruxo das trevas. Tarefa é difícil e de grande sacrifício.

No sétimo livro, Harry, Rony e Hermione partem para uma jornada distante, procurando as relíquias da morte. Os livros seguem fieis ao crescimento psicológico e físico de seus personagens, com medos, descobertas, coragem e bondade. Com suas falhas tornam-se mais humanos e próximos da realidade do leitor, deixando claro a evolução de cada um.

Essa onda de leitores novos ávidos por histórias de ficção e aventura fez reviver clássicos como As crônicas de Nárnia (C.S. Lewis), O senhor dos anéis e O Hobbit (J. R. R. Tolkien). E influenciou na literatura o surgimento de novos autores como John Green, que adentrou na barca dos sucessos entre os jovens. Na era de novos autores, alguns começam com pequenas fanfics (que partem da apropriação de personagens e enredos para dar novos caminhos a eles, criando universos paralelos), depois para um original. Um exemplo é E. L. James, que fez a saga 50 tons de cinza baseada em Crepúsculo, da autora Stephenie Meyer.

Juliana Alves

Anúncios